Academia Piauiense de Letras lança novos livros da coleção Centenário

A Academia Piauiense de Letras lançou no último sábado, 09 de junho, novas publicações da Coleção Centenário. Os livros lançados, foram: A Criação Universal, Leonardo das Dores Castelo Branco; Dicionário de Brasileirismos no Piauí, de Fontes Ibiapina; É preciso filosofar, de Manfredi Mendes de Cerqueira; e Lendas e Superstições do Norte do Brasil, de João Alfredo de Freitas.

 

 

Em evento liderado pelo presidente da APL, Nelson Nery Costa, as obras foram apresentadas para o público, consolidando a importância histórica da coleção para a literatura piauiense. Na segunda edição do ‘Dicionário de Brasileirismo no Piauí’, por exemplo, Fontes Ibipiana traz um valioso registro de vocábulos que vão muito além da obra, enaltecendo nossa cultura. “Fontes Ibiapina foi um grande observador do mundo. Permitam-me dizer, um grande avó. Contador de histórias, colecionador de coisas e cacarecos, distribuidor de causos e de palavras de um menino de fazenda”, indicou a neta de Fontes Ibiapina, Laila Ibiapina Caddah.

Reeditado pela APL, em ‘Lendas e Superstições do Norte do Brasil’, João Alfredo de Freitas analisa a psicologia do povo, principalmente os mais incultos, com suas crendices, lendas, fantasias e superstições. A obra foi publicada pela primeira vez em 1884.

 

 

COLEÇÃO CENTENÁRIO – A coleção traz para os piauienses obras que reúnem informações, histórias, fatos, relatos e imagens que retratem a história da Academia. “Estamos realizando uma série de eventos em homenagem aos 100 anos da APL; a Coleção Centenário é um desafio editorial e não tem nada similar no Brasil”, indicou o presidente da APL, Nelson Nery Costa.

A instituição está desenvolvendo uma programação desde dezembro do ano passado em que comemora os seus 100 anos. Entre os eventos, já ocorreu a entrega da Medalha do Centenário a mais de 50 personalidades que contribuíram ou tem contribuído para a literatura piauiense. Também já ocorreu a inauguração do Museu da Cultura Literária Piauiense, instalado na Casa de Lucídio Freitas, sede da Academia.

Além disso, a Coleção Centenário vem, desde 2016, fazendo um resgate de obras antigas, importantes, escritas por intelectuais renomados, que tratam sobre o Piauí e sobre tudo que se relaciona com o Estado.

 

Concurso: 32 livros concorrem a prêmio de R$ 100 mil em Teresina

O Concurso de Livros Publicados Poeta H. Dobal inscreveu 32 obras nas categorias poesia, conto, crônica, romance, crítica e ensaio, além de trabalho científico. Esses livros estão concorrendo a uma premiação de R$ 100 mil, oriunda de emenda parlamentar.

Organizado pela Prefeitura de Teresina em conjunto com a Academia Piauiense de Letras, o concurso tem como objetivo fomentar a produção literária e científica. Foram inscritos pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves apenas livros publicados entre o perído de 1º de janeiro de 2014 e 30 de abril de 2017.

Academia Piauiense de Letras

As obras serão julgadas por uma comissão formada por cinco membros da Academia Piauiense de Letras, além de cinco intelectuais ou professores que devem ser designados pelo presidente da Academia Piauiense de Letras. Estes últimos deverão assessorar a comissão. A partir da data do encerramento das inscrições, a comissão terá um prazo de 90 dias para apresentar o resultado.

Entre os inscritos estão sete livros de poesia, três de contos, cinco de crônicas, 14 romances, uma crítica e ensaio, e duas obras científicas. Segundo o presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery Costa, cabe à instituição o papel de fazer o julgamento dessas obras. “A comissão é formada por cinco acadêmicos e mais cinco intelectuais e/ou professores designados pelo presidente da comissão. Estes últimos serão os auxiliares dos acadêmicos no julgamento. Pelos inscritos percebemos que há uma predominância de obras de literatura e temos também algumas obras técnicas. Isso já nos mostra que os escritores do Estado estão produzindo constantemente”, afirma.

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery Costa

A premiação é de R$ 100 mil para uma única obra vencedora. Esse valor, destinado pelo deputado estadual Robert Rios através de emenda parlamentar, é uma das maiores premiações já oferecidas no Brasil para um concurso de livros publicados.

 

Academia Piauiense de Letras lança novas obras da Coleção Centenário

Neste sábado, dia 1, a Academia Piauiense de Letras realiza mais um lançamento de livros da Coleção Centenário e Coleção Século XXI. A solenidade acontece no auditório Wilson de Andrade Brandão, na sede da entidade, a partir das 10h.

Na ocasião, serão lançados os livros “Petrônio Portella – Depoimentos à História Política Brasileira”, de Osvaldo Lemos, nº 82, da Coleção Centenário; “Alfredo e Rosa e a Descendência da Esperança – A Família Pires Lages de Barras do Marataoã”, de Maria do Socorro Lages Gonçalves, nº 10, da Coleção Século XXI; as obras “Piauiense, Sim Senhor”, de Lisete Napoleão Medeiros, nº 12; e “Joga o Barro na Parede – Uma Canção de Amor e Paz”, de Gutemberg Rocha (organizador), nº 14, com apresentação de Moisés Reis; bem como “O Recinto do Elogio e da Crítica – Maneiras de Durar de Alberto Silva na Memória e na História do Piauí”, de Cláudia Cristina da Silva Fontineles, da EDUFPI.

Desde o ano passado, vários livros foram relançados através da Coleção Centenário, que pretende lançar diversas outras publicações em comemoração aos 100 anos de existência da Academia Piauiense de Letras. São diversas obras de autores locais ou não, muitas raras e outras inéditas, numa iniciativa que visa o resgate do gosto pela produção literária local.

Para o presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery Costa, as obras trazem muito da história do Piauí e reforçam a produção de grandes intelectuais. “A Coleção Centenário vai conter as principais obras históricas e sobre a História do Piauí, bem como sobre literatura e suas formas, como poesia, crônicas, contos e romance, e sobre geografia e cultura.  Assim, pode ser entendida como um caleidoscópio que representa o próprio Piauí ao longo dos últimos trezentos e cinquenta anos”, destaca.

Além da Coleção Centenário, a APL movimenta o meio literário com um outro projeto: a Coleção Século XXI. Através dele, a entidade está buscando dar visibilidade aos novos autores com destaque para obras e a aproximação dos novos talentos como uma forma de incentivo à produção.